Mais um ano de vida ou menos um ano de vida?



Meu aniversário de 18 anos deveria ter sido como qualquer outro dia, eu só ganharia alguns abraços, um ou outro presente mas, Amber resolveu organizar uma grande festa. Na manhã do meu aniversário, Amber me acordou com abraços e carinhos, levantei da cama e encontrei meus tios e tias que já não via a anos, primos que vieram de vários lugares diferentes, amigos que moravam longe, vizinhos, ex-professores,
Depois de uma tarde de risadas, histórias e presentes, deixei meus amigos e família em casa, chamei Amber e saímos um pouco para caminhar.
De mãos dadas andamos até a praça, era uma noite fria mas agradável. Agradeci por todo o esforço que ela fez para juntar todas aquelas pessoas mas, antes que eu pudesse terminar, Amber começou a falar com lágrimas nos olhos. Disse que me amava e que agradecia todos os dias por me ter em sua vida, que eu era especial, queria que eu ficasse para sempre com ela, queria construir uma família comigo.
Eu a abracei e disse que tudo isso se realizaria, porque ela era realmente tudo que sempre sonhei. Prometi estar com ela até o fim, disse que a amava mais que minha própria vida.


Hoje, estou escrevendo uma carta, provavelmente a última carta que Amber receberá de mim. Duas semanas depois do meu aniversário, o país entrou em guerra com a Landinóvia e todos os homens precisaram se apresentar com urgência.
Digo que está será a última carta porque, nos últimos dias temos tido baixas em grande quantidade, nossa munição está acabando e estamos todos exaustos. O Exército da Landinóvia vem avançando muito rápido.
Talvez as coisas terminem para mim antes mesmo do fim da semana...


Amber, te escrevo com lágrimas nos olhos pois sinto dor ao pensar que posso te decepcionar. Vejo as promessas que te fiz se distanciando de mim dia a dia. Imagina-lá em lágrimas ao receber a notícia de minha morte me destrói o coração.
Ontem pelo fim da tarde, tivemos alguns minutos de silêncio, os tiros pareciam ter cessado e as bombas já não explodiam mais. Andando por entre os corpos, encontrei Tim, Michael e John. Estavam os três mortos, com seus corpos próximos. Desabei a chorar quando os vi.
Fui dormir com as lembranças de quando andávamos de bicicleta pelo bairro aos 9 anos, lembranças essas que foram tomadas pelo sangue que cobria seus corpos sem vida no chão.
Amber meu amor, dói saber que não a verei mais. Fico com a memória de seus belos olhos, de seus doces lábios e de seus abraços longos e apertados. Peço perdão por não cumprir as promessas que te fiz, não poderemos nos casar, não teremos juntos a filhinha que sonhávamos, nem poderemos envelhecer juntos em nossas cadeiras de balanço. Nada disso vai acontecer e eu sinto muito...
Saiba também que eu lutei essa guerra, do começo ao fim por você! Para voltar aos seus braços, para vê-lá novamente e para cumprir com o que te prometi.
Queria que essa correspondência te levasse boas notícias mas, levam na verdade minhas últimas palavras...
Amber, você é a paz com a qual eu parto em direção ao incerto.
Você é o sol que em meio as trevas surge a me iluminar.
Você é tudo, e morro com a certeza de ter amado e sido amado.
Amber, meu único e verdadeiro amor, Adeus

Comentários

Postagens mais visitadas